quarta-feira, 13 de agosto de 2014

O Futuro depois de Eduardo & Marina

Marina & Eduardo
Infelizmente, a Política não guarda luto. Enquanto as movimentações dos candidatos pelo país cessaram, momentaneamente, nos bastidores do impacto da morte súbita de Eduardo Campos, as lideranças políticas se articulam para definir as novas candidaturas da aliança PSB-REDE-PPS. Luíza Erundina, Marina Silva e Roberto Freire são, talvez, as lideranças mais evidentes no cenário político nacional, e certamente, terão papel determinante no futuro da aliança, bem como na escolha da dupla que enfrentará as urnas.

FHC e Aécio Neves: "que situação"!
Não me parece razoável que recusem a Marina Silva o papel que lhe foi reservado pelo destino, indicando outra personalidade para a disputa presidencial. Também não vejo possibilidade de uma dupla feminina para as eleições, o que causaria fortes resistências do eleitorado masculino. Finalmente, não creio no ingresso de Roberto Freire em uma aliança em que seu partido foi o último a aderir, já descartada sua candidatura pessoal pelo PPS, a não ser que aceite ser vice de Marina Silva, uma chapa forte, consistente e competitiva. Forte pelas qualidades de ambos os políticos, consistente porque representaria a aliança do Norte e Nordeste, e competitiva porque são dois nomes nacionalmente conhecidos e respeitados, até pelos opositores. Marina ainda possui um cacife político hoje cobiçado, por ser evangélica.

Portanto, o PSB deverá indicar o vice de Marina, caso não seja Roberto Freire o escolhido, invertendo, em boa hora, a equação política, que demonstrava significativa estagnação nas pesquisas eleitorais. Vale lembrar o pequeno tempo de que disporão os partidos desta aliança para enfrentar os dois candidatos mais bem cotados até o momento: Aécio e Dilma. Porém, já falamos de destino e reafirmamos agora: em meio à comoção nacional dos meios políticos e jornalísticos, a possibilidade de Marina resgatar sua base eleitoral de 20 milhões de votos se torna factível e até provável; mais ainda se a chapa definida for Marina & Roberto!

Luiza Erundina e o "outro" Freire (Paulo), o Educador
Quem perde mais neste momento é o PT. Com uma confortável margem de 15% entre Dilma e Aécio, o partido se vê diante de uma nova situação, imprevisível como aquela das manifestações de rua de 2013, em que quase nada pode ser feito e tudo pode acontecer em poucos dias, mesmo antes do início das campanhas inaugurarem o período televisivo e os debates públicos. Quem ganha é apenas Marina Silva.

Roberto Freire (PPS)
Ainda ontem eu criticava a sabatina de Campos no ninho das serpentes do ruralismo, a CNA, quando abdicou de todo discurso de Sustentabilidade e reafirmou sua tradicional postura desenvolvimentista, que tanto criticamos em Dilma Rousseff e em Aécio Neves. Na ocasião, pareceu-me até um descaso perante Marina Silva, curiosamente presente no antro do agronegócio. Agora, sem a obrigação de agradar os predadores do Meio Ambiente, Marina Silva poderá resgatar sua ideologia ambientalista e reafirmar seu compromisso com a preservação ambiental e com projetos verdadeiramente Sustentáveis, em seus pilares da Economia, da Sociedade e do Meio Ambiente. Como ela se sairá nessa nova oportunidade?

Descartando-se a promoção de Marina Silva a candidata a Presidente da República, só restaria ao PSB abdicar da candidatura a presidente, desfazer a aliança, desmontar todos os acordos regionais e apoiar o PSDB de Aécio Neves e FHC. Mas nenhum político renuncia às oportunidades que o destino oferece. Por isso, creio que Marina será ungida à nova função e enfrentará seus oponentes com seu discurso forte, coerente e vitorioso, e transformando os destinos do país. Assim espero, pois se uma situação nova se revela, também temos que rever e mudar nossa posição; e a minha será, novamente, de apoiar e lutar pela candidatura de Marina Silva.

Opiniões de Heráclito Fortes e Antonio Campos

Fonte: "O Estado de São Paulo"

Ex-senador e candidato a deputado federal no Piauí, Heráclito Fortes (PSB) foi além. Segundo ele, a candidatura de Marina à Presidência e a de Roberto Freire para a vice-presidência são "naturais".

Se Marina Silva podia ser a vice-presidente, também pode ser a presidente. O lógico que o nome seja o de Marina e acho que o nome natural é o do Roberto Freire (para a vice), porque ele já foi senador, foi deputado federal por Pernambuco, é deputado por São Paulo. É um nome que o Brasil conhece — disse Heráclito.


Único irmão do ex-governador Eduardo Campos, o advogado Antonio Campos defende que a candidata a vice, Marina Silva, assuma a candidatura à Presidência pelo PSB no lugar do ex-governador, morto nessa quarta-feira em um acidente aéreo em Santos. "Vou defender publicamente e dentro do partido esta posição", afirmou ele, em entrevista por telefone, ao Estado, na manhã desta quinta-feira, 14.

"Marina vai agregar valor à chapa presidencial e ao debate no Brasil", afirmou ele, ao anunciar que vai encaminhar uma carta ao partido explicitando sua defesa. "Se meu irmão chamou Marina para ser sua vice, com esta atitude ele externou sua vontade", afirmou Antonio Campos, confiante de estar defendendo a posição que o ex-candidato aprovaria.

"Acho que o mundo está nas mãos daqueles que têm coragem de sonhar e de correr riscos para viver seus sonhos", destacou ele. "Eduardo morreu na busca de um caminho para melhorar a nação". Para o advogado, Marina Silva "tem essa capacidade de empunhar uma luta que debata os caminhos do Brasil e crie novos caminhos para melhorar este País".
Postar um comentário

BPMN