quinta-feira, 19 de agosto de 2010

QUEM SE IMPORTA COM O DESTINO DESSE RIO?


Às vésperas das eleições não conhecemos ainda as intenções dos candidatos no que se refere ao Meio Ambiente. Nem mesmo Marina Silva se arrisca a dar suas opiniões, pois o IBOPE informa que preservar a Natureza NÃO É uma das preocupações da população brasileira, ou seja, defender a Ecologia NÃO DÁ voto! Já sabemos que Dilma Rousseff e José Serra não têm grande simpatia pelas causas de Sustentabilidade. Afinal, Dilma é co-autora do projeto de Transposição das águas do São Francisco e madrinha das maiores hidrelétricas consctruídas e em construção nos rios Xingu e Madeira.

Se a bola da vez é a Saúde porque a Globo assim "interpretou" a maior preocupação dos brasileiros, com a nítida intenção de conceder o mote a José Serra, que se considera "o melhor Ministro da Saúde da História desse país" (já ouviram algo semelhante? "Nunca na História desse País..."), quem se importará com o destino de nossos rios? Quem se importará com o São Francisco, com seus mais de 150 afluentes, com seus 15 milhões de habitantes? Onde estão os Planos de Revitalização e uso sustentável de nosso Velho Chico?

Se nós que temos todo interesse em sua preservação nada fazemos, quem fará? Quem cobrará dos presidenciáveis, dos deputados, senadores, governadores as políticas públicas direcionadas ao Meio Ambiente na imensa Bacia do São Francisco e no Semiárido? Onde estão as ONG´s neste momento crucial da vida da Nação brasileira, que não reivindicam nada para a continuidade de nossos recursos naturais renováveis? Sim, eu disse RENOVÁVEIS, mas até quando? Se tudo continuar como está, nada se renovará no futuro!

QUEM SE IMPORTA COM O DESTINO DESSE RIO?

Já se passou um ano desde que percorri o São Francisco da nascente à foz, ouvindo e retratando as dramáticas realidades desse rio; no entanto, nada mudou. Nem mudará, pois a preocupação dos brasileiros é com seu quinhão nos resultados das eleições. Há quem vote em Dilma porque provavelmente ela prosseguirá em sua política protecionista e paternalista com relação a servidores públicos, a sindicatos e a movimentos sociais. Mas não é assim que se escolhe o mandatário maior dessa nação gigantesca! E as políticas públicas?

As eleições chegarão e não importa quem vença, pois nenhuma proposta verdadeiramente revolucionária se apresenta aos eleitores. Da mesma forma, a sociedade organizada em sindicatos, associações, movimentos sociais pede muito pouco: eles apenas querem verbas! Mas dinheiro sem planos consistentes não representa uma solução. Exemplo disso é a Saúde e a Educação que recebem juntas quase a metade do orçamento da União e não evoluem como deveriam. E isso só ocorre porque as desigualdades sociais nesse país de latifundiários e milionários (que só representam 2% da população) não têm sido tratadas de forma consistente por ninguém que ocupou o Palácio do Planalto ao longo de nossa História.

Assim, o Velho Chico continuará a definhar, a perder suas matas e seus animais, a ser imundecido pela poluição de esgotos domésticos, a ser envenenado por agrotóxicos e resíduos industriais, a ser sugado para outras terras por obras majestosas e de pouco significado para a população ribeirinha, a ser assoreado pelas terras arrancadas dos barrancos... o Velho Chico continuará esquecido, "na fila do SUS", como diz Frei Luiz Cappio.

Enquanto isso, muitos milhares sonham com um cargo público de deputado, senador, governador ou presidente, sem mesmo saber o que fará quando empossado, a não ser continuar com as mesmas práticas de corrupção e mau uso do dinheiro público. Passaremos mais quatro anos sem perspectivas renovadoras porque NÓS não renovamos nossos políticos! 
Postar um comentário