segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Mensagem aos Indigenistas

video

Mensagem de Maria Augusta Boilitreau Assirati, Presidente da FUNAI. Espero que ela permaneça como nossa presidente, pois seu trabalho demonstra o comprometimento com a CAUSA INDÍGENA, condição essencial para que nossas ações no campo e os serviços na Sede e nas Coordenações Regionais tenham o resultado que as populações indígenas esperam de nós, servidores públicos federais.

Que em 2014 a FUNAI represente, de fato, o PENSAMENTO INDIGENISTA, e que este reflita as expectativas de nossas populações originárias, tão penalizadas pelo governo autoritário e ruralista de #DILMA Rousseff e de seus "colaboradores" reacionários! Que nossas populações indígenas saibam se proteger das falsas promessas de políticos e empreendedores, que nada mais querem do que roubar-lhes as riquezas e perverter sua cultura. Que as ações da FUNAI possam se desenvolver sem os entraves e bloqueios políticos que atendem apenas aos interesses de minorias privilegiadas e assassinas, como latifundiários, grileiros, madeireiras, mineradoras, empreiteiras e outros bandidos que impedem que nossa sociedade cresça de forma justa e igualitária.

Enquanto esses interesses mesquinhos se sobrepuserem aos verdadeiros interesses nacionais, teremos um país escravo de um modelo econômico subserviente e fracassado, que só serve para os países que exploram nossas riquezas naturais em troca da alta tecnologia que não produzimos. São como os "espelhinhos" que eram dados aos indígenas pelos colonizadores portugueses, para enganá-los e surrupiar suas terras e riquezas.


Damos minério de ferro e outros minérios, e recebemos equipamentos eletrônicos sofisticados, que nem uma tonelada desse minério pode comprar; damos madeira de lei e recebemos migalhas que não comprariam os móveis que eles produzem com nossas florestas; damos nossas terras para produção de soja, que é transformada em ração para o gado, que também é exportado, e desmatamos milhões de hectares de terra apenas para conter as 200 milhões de cabeças de gado e as intermináveis plantações de monocultura que transformam florestas em desertos para nossos descendentes. Damos ouro para receber estrume!

Saudações a nossos irmãos indígenas, razão de ser de nosso trabalho e de nossas vidas como indigenistas e ambientalistas! Indígenas do Brasil, uni-vos em defesa de seus territórios e de suas riquezas! Não se iludam com as promessas e as ofertas indecentes das empreiteiras de hidrelétricas: nada que eles façam irá compensar as florestas e as riquezas que elas protegem, e que serão destruídas para viabilizar essas obras faraônicas!
Postar um comentário

BPMN