quinta-feira, 10 de março de 2016

O mosquito que salvou Dilma

Uma nação em pânico, estimulada por uma imprensa voraz, e uma epidemia de dengue e zika ofuscam os planos de impeachment de Dilma e afastam as possibilidades de uma recuperação econômica no atual governo, desorientado e sem rumo. O que esperar dos próximos três anos, se as mais variadas crises atormentam nossa população desencantada? Quando, em 2018, um novo presidente eleito por um povo despreparado e inculto, chegar ao poder, não terá muitas expectativas de realizar um grande governo. No máximo, conseguirá restaurar os fundamentos da Economia e estancar a hemorragia produzida pelo PT.


Quando, em 2008, Lula falava das marolas que farfalhavam nas praias da Economia brasileira, enquanto o mundo se afundava na pior crise mundial depois de 1930, o PT chegava ao Paraíso e comemorava a vitória da revolução socialista tupiniquim, estimulado pelos programas sociais que teriam tirado da miséria 40 milhões de pessoas. O Mensalão seria enterrado logo a seguir, com um bode expiatório condenado a 40 anos de prisão e alguns líderes petistas presos, mas o partido estaria, aparentemente, preservado.

Lula chegou ao fim de seu mandato com as glórias do Salvador da Pátria, e como o grande chefe que, durante oito anos, segurou as rédeas do partido e da nação, usando seu carisma e sua lábia para ocultar o envolvimento de quase toda cúpula dirigente do PT nos crimes de corrupção. O ciclo revolucionário não terminara, e a meta de permanecer vinte anos no poder parecia cada vez mais próxima de ser alcançada. Mudanças estruturais de base haviam sido feitas, os movimentos sociais, as ong's e os sindicatos estavam fortalecidos, e a máquina estatal tinha sido aparelhada e dominada por políticos petistas, empenhados em assegurar que nenhuma força contrária impediria os avanços políticos e sociais.

O que Brizola e Jango não conseguiram realizar até 1964, Lula entregava ao país, sem que as forças militares se manifestassem em contrário, e sem que a nação percebesse o que estava acontecendo. Comissões de sindicalistas e funcionários públicos debatiam livremente propostas socialistas, implantavam planos quinquenais que deixavam os projetos comunistas do século passado parecendo brincadeiras de crianças. Aparentemente, as mudanças estruturais pareciam consolidadas e irreversíveis diante da perplexidade de uma oposição tímida e desarticulada. Caminhávamos a passos largos para o Socialismo de Estado.

No entanto, quando Lula impôs a candidatura de Dilma a seu partido e à Nação, realizando um feito que parecia impossível diante da total ausência de carisma e de competência dela para administrar o país, Dilma se elege presidente da república e garante, teoricamente, mais quatro anos para o PT finalizar a sua obra. Durante seu novo mandato, no entanto, Dilma mostrou-se incapaz de preservar a unidade da bancada dos partidos aliados no Congresso, criando constrangimentos cada vez maiores à convivência política entre os dois poderes. O Planalto e o Congresso já não se entendiam e a bancada se esfacelava diante dos olhos estupefatos de uma oposição fraca e igualmente incompetente. A Economia se desgarrava dos seus fundamentos teóricos e a inflação e o desemprego ameaçavam derrubar o castelo de cartas dos planos petistas. A marola de Lula mostrava-se, afinal, um tsunami!

Dilma chegou ao final de seu mandato desmoralizada, mas, graças às artimanhas e mentiras de uma campanha política suja e desonesta, venceu as eleições e derrubou dois candidatos que pareciam imbatíveis: primeiro, Marina Silva foi eliminada por manobras infantis de um marqueteiro sem ética e por seu pudor em não revidar as agressões sofridas pela campanha petista; depois, Aécio Neves enredou-se nos equívocos de sua campanha mal construída, pela visão política distorcida do PSDB e pela vulnerabilidade ao passado político de seu candidato. Dilma estava reeleita.

Porém, quis o destino que tantos erros de todas as partes permitissem ocultar um processo fulminante, desencadeado pela Polícia Federal, pelo Ministério Público Federal e por um Juiz de Direito honesto e determinado que, juntos, estarreceriam o país com a maior devassa já havida na nossa história: a Operação Lava-Jato, que deixaria expostas as entranhas do poder e da gigante do petróleo do Brasil, a Petrobras. Aos poucos, a superestrutura construída pelo PT se desmoronava e contaminava ainda mais a Economia. Indicadores que surpreenderam o mundo durante dez anos, agora desabavam, desmontando o projeto de governo petista e ameaçando fulminar suas pretensões políticas de longo prazo.

Em meio a tudo isso, os índices de aprovação de Dilma, que já não eram satisfatórios desde as manifestações populares de junho de 2013, despencaram definitivamente, e um movimento de impeachment se desenvolvia nos protestos e no Congresso, ameaçando, inclusive, a interrupção do seu mandato e o sepultamento das pretensões de Lula de retornar ao Palácio do Planalto em 2018. O PT se atrapalhava no Congresso e alternava apoio e oposição às tentativas de Dilma em aprovar mudanças que salvassem nossa Economia em crise.

No final de 2015, a iminência da aprovação do impeachment se delineava no horizonte político, enquanto manobras espúrias expunham a escória da classe política, trocando socos e tapas em sessões repletas de golpes e trapaças de ambas as partes, oposição e governo. Os dois líderes do Senado e da Câmara, ambos envolvidos nos escândalos do Lava-Jato, se desentendiam quanto à posição de seu partido governista no apoio ou na oposição a Dilma. No apagar das luzes de 2015, no entanto, uma manobra regimental e jurídica transferiu ao Supremo Tribunal Federal a competência para definir os procedimentos internos do Congresso no processo de impeachment. O STF derrubou a estratégia de Eduardo Cunha e encerrou o ano Judiciário. A decisão final ficava para depois do carnaval, confirmando uma tradição política brasileira: não sabendo como fazer para lidar com a crise, o melhor é adiá-la e deixar que o acaso a decida por si.

Pois, justamente nesse interregno político, a imprensa, por falta de assunto e de inteligência, trouxe o Aedes Aegypti para os noticiários nobres da TV, desencadeando a maior campanha já vista no país contra a epidemia de dengue. No auge do pânico, um novo vírus do mesmo vetor aparecia, roubando a cena: o Zika e a suspeita de que essa praga também provocava microcefalia nos bebês nascidos de mães contaminadas! O pânico se alastrou pelo mundo, provocando manifestações não apenas das autoridades sanitárias e da Organização Mundial de Saúde, como também do presidente norte-americano, que se solidarizava com o Brasil.

Pois não é que o Aedes Aegypti salvou Dilma? Já não se ouvia mais falar de impeachment, e os escândalos da Lava-Jato se espalhavam por outras vertentes ainda mais escabrosas, chegando à família de Luiz Inácio Lula da Silva e dona Marisa Silva, tornando-os suspeitos de receberem propinas e bondades das construtoras Odebrech e OAS, como apartamento triplex no Guarujá, sítio na Serra da Cantareira e propinas da Friboi para o filho Lulinha. Milhões de reais corriam às mãos do ex-presidente e sua família.

Falar de impeachment? Só para dizer que os dois arqui-inimigos Eduardo Cunha e Renan Calheiros, além de Michel Temer, se entenderam para salvar dedos e anéis e preservar suas possibilidades de permanecer em liberdade, ainda que improvável. O Escândalo da Lava-Jato exauriu o entusiasmo das massas, assim como esfriou a suja luta política entre os três poderes, todos contaminados por interesses escusos ou corrupção. E foi assim que Dilma se salvou do impeachment, graças a um mosquitinho impertinente chamado Aedes Aegypti! E o Brasil? Ah, bem, o Brasil vai muito bem, obrigado! Afinal, agora é Carnaval!

© obvious: http://lounge.obviousmag.org/artefacto_artefoto/2016/02/o-mosquito-que-salvou-dilma.html#ixzz42WbIxYAV

Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook
Postar um comentário

BPMN