segunda-feira, 24 de março de 2014

Água: Recurso Finito

Cachoeira dos Venâncios - Aparados da Serra, RS
ÁGUA! Recurso finito e cada vez mais escasso nos grandes centros. Sempre que uma situação calamitosa acontece, surgem discursos de toda natureza, propondo soluções mirabolantes, investimentos elevados e mais custo para a população. Obras de engenharia sempre trazem muitos votos.

A solução, no entanto, é "simples": cuidar do Planeta, respeitar a Natureza, reduzir o consumo a níveis suportáveis. Sim, parece simples, mas falta um ingrediente essencial: CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA! Infelizmente, a maioria das pessoas ouve frases de efeito do tipo "Água: se economizar não vai faltar" e pensam que por concordar com o "slogan", tudo está resolvido em sua cabeça. Por alguns dias até economizam um pouco. Depois, esquecem e voltam a desperdiçar, pois não se formou a verdadeira Consciência Ecológica que produz mudança de comportamento!

Mas se alguém pensa que termina aí, com uma "Campanha Nacional pela Conscientização do Cidadão", está redondamente enganado! Os interesses pessoais, econômicos, corporativos e setoriais estão acima de qualquer INTERESSE SOCIOAMBIENTAL! Grandes empresas ganham muito dinheiro devastando a Natureza e não farão nada para mudar seu comportamento.

Mudar isso é tarefa para HÉRCULES! Mas ele não está disponível: recolheu-se ao OLIMPO, certo de que a Humanidade não tem conserto... portanto, cabe a nós essa tarefa hercúlea. E começaríamos por restaurar o Código Florestal ao texto original, anterior à RIO+20 de 2012, com todas as suas contradições.

Sim, e precisaríamos de LEIS e PODER para coibir abusos, aplicando multas, confiscando terra e gado, ouro e propriedades de todos que cometessem crimes ambientais. Não existe outra saída, e só pode ser agora, enquanto a Natureza está apenas nos ALERTANDO sobre a catástrofe que se anuncia.

Posso parecer fatalista, arauto do Apocalipse, fanático por Ambientalismo, ou qualquer coisa do gênero. Mas o fato é que as piores previsões de cientistas (não astrólogos!) estão se consumando, e em tempo muito menor do que se esperava.

É bem provável que, já em 2.050, quando estarei completando 100 anos - uma cigana me disse que eu viveria para ver e dizer: "não falei?" - as geleiras do Polo Norte e vizinhanças já serão história, os animais do Ártico terão desaparecido, os esquimós terão alterado radicalmente seu estilo de vida, e, finalmente, algumas cidades litorâneas do Oceano Atlântico terão sucumbido nas águas aquecidas pelo degelo... "aquecidas"? Como assim?

As geleiras do Polo Norte têm um papel importantíssimo para o funcionamento das correntes oceânicas: esse movimento circular contínuo dos oceanos ocorre devido às diferenças de temperatura nos polos, no Equador e zonas tropicais. Com o degelo, as correntes perderão velocidade, tendendo a provocar o desaparecimento da vida nos oceanos, e causando transformações climáticas similares aos períodos glaciais, que já causaram a extinção dos dinossauros.

E por que as cidades costeiras desaparecerão? Simplesmente porque imensos volumes de água que se encontram congelados acima da superfície das águas se incorporarão ao oceano, aumentando seu volume e, consequentemente, elevando os níveis de suas águas em proporções desconhecidas. Isso já aconteceu antes, mas não por intervenção humana, e sim como fenômeno natural.

As Mudanças Climáticas também causarão outra transformação: o Ciclo das Águas será alterado, desequilibrando o clima em todo Planeta. Exemplo? As chuvas abundantes que acontecem sobre a Floresta Amazônica são fruto da evaporação do Oceano Atlântico e do calor emanado pela própria floresta, conhecido como "evapotranspiração", provocando condensação e precipitação.

Se estamos devastando a Amazônia, pressupõe-se que haverá menos árvores para produzir a evapotranspiração e, consequentemente, menos chuvas na floresta residual. E isso provocará novas mudanças, pois essa evaporação da floresta alimenta as geleiras dos Andes que, por sua vez, no degelo do verão, formam boa parte dos rios amazônicos, e também causam as chuvas nas regiões sul e sudeste do Brasil, na Argentina e no Uruguai. Tudo isso se reduzirá.

O Brasil possui cerca de 12% de toda água potável do Planeta, em águas subterrâneas (lençol freático), rios, lagos, pantanais e reservatórios. Mas esse processo perverso irá reduzir drasticamente nossas reservas e, por consequência, a produtividade das lavouras. Se rios secam, de onde virá a água que abastece o homem?

Peço-lhes que me respondam a essa indagação...
Postar um comentário

BPMN