quinta-feira, 14 de junho de 2012

JBS descumpre acordo socioambiental e perde clientes


Em relatório, ONG Greenpeace acusa a JBS comprar animais criados em áreas desmatadas no Brasil

Relatório do Greenpeace acusa o JBS, maior produtor mundial de carne, de descumprir compromissos socioambientais firmados em 2009, que poderá acarretar no cancelamento ou não renovação de contratos por parte de empresas europeias.
Contatado pela Reuters, o JBS informou que o Greenpeace não enviou o relatório para o grupo, mas quando tiver o levantamento em mãos "ele será devidamente analisado e os pontos de divergência serão tecnicamente esclarecidos a todos".
Segundo o Greenpeace, o JBS vem desrespeitando cláusulas do documento firmado no qual se comprometia a não comprar mais animais criados em áreas desmatadas no Brasil. E aponta ainda outras possíveis irregularidades como compra de animais de terras indígenas e de áreas sob embargo.
Embora os executivos do JBS ainda não tenham recebido oficialmente o documento, a assessoria da companhia informou que teve conhecimento sobre o relatório. E afirma que em "análise prévia, foram constatadas uma série inconsistências nos dados apresentados pelo Greenpeace".
O coordenador da campanha Amazônia, André Muggiati, disse que o Greenpeace teve várias reuniões com o frigorífico para discutir o assunto. "Estamos conversando com o JBS desde que o compromisso foi firmado. Tivemos muitas reuniões e o JBS falha em apresentar uma auditoria consistente... foram sucessivas falhas", disse.
O relatório da organização não-governamental (ONG) indica que pelo menos seis companhias europeias consumidoras de derivados processados de carne bovina e de couro poderiam cancelar ou deixar de renovar contratos com o JBS.
Muggiati disse que o levantamento do Greenpeace concentrou-se em Mato Grosso, estado com o maior rebanho no país e onde a ONG teve mais acesso a informações.
Contudo, ele declinou em dar mais detalhes sobre a fonte desses dados; destacou apenas que em outubro passado o Greenpeace já havia divulgado relatório semelhante. Na ocasião, segundo Muggiati, parte dos dados veio de relatório do Ministério Público Federal.
Questionado sobre a menção apenas ao JBS, Muggiati afirmou que outros dois grandes frigoríficos que também atuam no estado não apresentaram irregularidades e conseguiram comprovar que compram animais de áreas que respeitam as regras socioambientais.
Ele citou o Marfrig com três unidades de abate no estado e o Minerva, que embora conte com uma unidade em Tocantins compra animais de Mato Grosso. Já parte das 16 unidades do JBS no estado estaria em situação irregular.
Fonte: VEJA - ABRIL
Postar um comentário

BPMN