sexta-feira, 2 de março de 2012

O "repouso" do incompetente e desleal "guerreiro" ruralista

Aldo Rebelo, que foi o grande responsável pela aprovação do "novo" Código Florestal e principal porta-voz da famigerada "bancada ruralista" no Congresso nos últimos dois anos, encontrou uma pasta ministerial onde não tem nenhuma expressividade política: a dos Esportes! Mesmo com a importância da Copa do Mundo de Futebol, que se realizará no Brasil em 2014, o Ministério dos Esportes não representa nada no espectro político nacional. Dilma, ainda que não fosse intencional, neutralizou o incompetente político que vendeu sua alma e a de seu partido, o PCdoB, para satisfazer à vontade política da vertente mais podre da política nacional: a dos ruralistas.

Lamentavelmente, o mal já está feito, e pagaremos por isso para o resto de nossas vidas e de nossos filhos e netos, pois o Meio Ambiente nunca se recuperará dos desastres ecológicos que ainda estão por vir, causados pela legislação frouxa e esdrúxula que substituiu o nosso Código Florestal. É curioso como aspecto tão importante de nossa vida política, econômica e social, a Natureza não desperta nenhuma atenção, seja da "classe política", seja dos economistas, seja dos próprios ambientalistas, que ainda não perceberam a gravidade da situação.

O que mais nos entristece é saber que, em um futuro muito próximo, a maior riqueza da Terra será seus recursos hídricos e, no entanto, nada se faz para preservá-los. Curiosamente, mesmo os cientistas e astrônomos que afirmam que a primeira característica de um ambiente propício à vida é a presença de água no estado líquido, não se articulam para defender nosso planeta! Os recursos hídricos são abundantes na Terra;no entanto, a água doce, que é apropriada para o consumo humano, representa menos de 2,5% de toda água existente, e se encontra assim distribuída:

- 68,9% nas calotas polares, montanhas geladas e glaciares;
- 29,7% em aquíferos subterrâneos;
- 0,9% nos cursos d´água: rios e lagos;
- 0,5% em outros reservatórios (nuvens, vapor d’água
, açudes, represas...).

Vale lembrar que todo derretimento das calotas polares, bem como dos glaciares, conduz a água para o mar, tornando-a salgada e, portanto, imprópria para o consumo. A água salgada pode ser transformada em água potável, porém o custo dessa transformação é extremamente elevado e economicamente inviável com a tecnologia atual. Também é importante ressaltar que os rios e lagos estão cada vez mais comprometidos pela poluição, seja pelos esgotos domésticos ou industriais, seja pelos agrotóxicos levados pelas chuvas, reduzindo a disponibilidade de água potável, seja pela própria redução drástica de seus volumes em decorrência de fatores humanos, tais como a destruição das matas ciliares, a formação das pastagens para criação extensiva de gado, e os latifúndios e monoculturas de soja, de milho, de algodão e de cana de açúcar.

Essa é a herança deixada por esse político, felizmente agora confinado em seu gabinete ministerial, e incapaz de prejudicar ainda mais o Meio Ambiente. É uma pena que não se possa fazer o mesmo com cada elemento da bancada ruralista, antes que se reagrupem para mais um assalto à Natureza, em favor de seus exclusivos interesses mesquinhos e suas ambições pessoais. O enriquecimento desmesurado dessa subclasse minoritária da população se deve à expansão, muitas vezes desonesta, das fronteiras agrícolas, avançando sobre áreas de proteção permanente através de artifícios como a ocupação ilegal, o desmatamento e a posse truculenta da terra por pressões dos latifundiários e de seus jagunços sobre minorias étnicas desprotegidas: quilombolas e indígenas.

Aldo Rebelo, lamentavelmente, deixará seu nome incrustado nas páginas da história de nosso país; porém, seus descendentes não sentirão orgulho de seus "feitos", pois saberão que ele terá sido um dos maiores responsáveis pelo trágico destino de nossas florestas, seus rios e seus habitantes originários: os indígenas, quilombolas, animais silvestres, ribeirinhos, pescadores e pequenos agricultores familiares, usurpados de suas terras e de seus paraísos naturais.
Postar um comentário

BPMN